"A mente que se abre a uma nova idéia jamais volta ao seu tamanho original."
(Albert Einstein)

13 de abr de 2011

Sentada na grama ao pé de uma árvore
olhando para o nada
pensando sobre o nada
sentindo o vento fresco bater no rosto
o sol a iluminar o dia
o céu azul, cinza, amarelo e vermelho
a sombra que acalma
o som dos pássaros que alegram
o barulho das folhas das árvores
o cheiro de flores, frutas, o perfume
a tranquilidade
a calma da natureza
a esperança de dias felizes
a paz interior
o suspiro lento e demorado
um sonho
um dia
para mim
e para você.

3 de abr de 2011

lembrar coisas do passado e sentir saudades. é que o que aconteceu comigo hoje. lembrar dos tempos em que eu era criança, brincava o dia inteiro, era tímida e não falava muito, mas gostava de ouvir as folhas das árvores, ficar o dia sentada na sombra ao pé da árvores pensando, pensando. olhando a natureza, o céu azul, comendo as frutas das árvores, brincando no balanço, acariciando meu gato, correndo atrás da cachorra. eu não falava muito, mas eu ria. ria e sorria com vontade. tinha dias que de manhã eu acordava com a minha vó martelando os bifes (para que eles ficassem moles e gostosos) já que ela começa beem cedo a fazer o almoço. eu ia discretamente pegar alguns tomates cortados para comer enquanto o almoço não ficava pronto. minha vó ficava brava quando a gente mexia nos ingredientes do seu almoço, mas era sempre muito divertido. eu gostava de ficar sozinha, sempre gostei, nunca fui uma pessoa de ter vários e inúmeros amigos. desde pequena eu sempre tinha um amiga que era muito especial, que me ajudava muito e tenho certeza que com ela eu conseguia superar tudo o que eu precisa para as determinadas fases da minha vida. mas eu percebi que daquela criança tímida e retraída e só sorria e não falava nada eu me tornei numa pessoa chata e muitas vezes rancorosa. a sociedade não tem piedade, não tem sentimentos e não se importa com o outro. eu mudei, porque havia a necessidade de falar, de gritar, eu não podia mais guardar tudo para mim, eu não podia mais segurar tudo, eu não podia mais ficar olhando as árvores e ouvir o vento. é por isso que fui classificada como uma pessoa chata, de difícil convívio, que nunca sabe se está bem ou não, e que parece que não está ainda enquadrada dentro da sociedade, que ainda não sabe o que quer. eu já não rio como antigamente, eu não sorrio como antigamente e do que eu mais sinto falta é sentar ao pé da árvore e ouvir as folhas e o vento. momentos de saudades, em que eu podia viver mais tranqüila e feliz. hoje onde eu passo a maior parte do tempo é em uma sala, com quatro paredes e nenhuma janela, eu não posso olhar para fora, eu não posso nem mesmo ver o céu. a única coisa que eu vejo o dia inteiro é a tela do computador e a pilha de trabalhos a serem feitos. e ainda dizem que o tempo de escravidão acabou, não é mesmo? se eu me tornei chata, sinceramente não foi porque eu quis. eu ainda sonho em passar os meus dias olhando a natureza, o céu, acariciando meu gato, meu cachorro, ouvindo uma boa música, ver árvores enormes, a grama verde e não ter medo de sorrir e rir. eu não matei totalmente aquela menina tímida e cheia de sonhos, só lacrei até o momento em que eu possa libertá-la para deixa-la viver como quer e em paz. hoje, me deu saudades desse tempo de criança e de sentir como era bom andar descalço na grama molhada.